Efeitos da fragmentação florestal no funcionamento das populações de figueiras e no mutualismo Ficus-vespas de figo

Início  |   Equipe  |   Áreas de Estudo  |   Fotos  |   Projetos Relacionados  |   Publicações do Projeto  |   Relatórios


Projetos Relacionados

Estudo comparativo do efeito da fragmentação florestal em populações de Ficus (Moraceae)
Projeto de Doutorado: Luís Francisco de Melo Coelho (FAPESP 2007/01542-0)
Curso: Biologia Comparada/FFCLRP-USP
Em andamento

Este projeto avalia como a fragmentação florestal afeta as populações de figueiras. O estudo está sendo realizado em áreas no Estado de São Paulo, representando paisagens com níveis diferentes de fragmentação, sendo: Pontal do Paranapanema - Morro do Diabo (menos fragmentada), Gália - Caetetus (medianamente fragmentada) e Ribeirão Preto - Mata de Santa Teresa (mais fragmentada). Em cada local foi georreferenciada uma área de 100 mil hectares, representando a paisagem. Fragmentos de tamanhos diferentes estão sendo amostrados, somando aproximadamente 80 parcelas de 125 x 10 m.


Estrutura do ovipositor de vespas parasitas do mutualimo Ficus-vespas de figo (Hymenoptera, Chalcidoidea)
Projeto de Doutorado: Larissa Galante Elias (FAPESP 2007/59059-3)

Curso: Entomologia/FFCLRP-USP
Em andamento

O objetivo deste projeto é avaliar como vespas parasitas exploram o mutualismo Ficus-vespas de figo. Essa informação é importante para elucidar as estratégias de colonização adotadas por essas vespas e entendermos melhor o impacto delas no mutualismo (principalmente em situações de acentuada fragmentação e redução de habitat. Vários grupos de vespas serão estudados, levando em conta o posicionamento filogenético das espécies. O projeto é desenvolvido em parceria com o Jardim Botânico Tropical de Xishuangbanna (China), onde parte dos dados serão coletados, e co-orinentado por Finn Kejllberg do Centre d'Ecologie Fonctionnelle et Evolutive - CNRS (França).


Diversidade de vespas (Hymenoptera, Chalcidoidea) associadas ao gênero Ficus (Moraceae) no Estado de São Paulo
Projeto de Mestrado: Fernando Henrique Antoniolli Farache (FAPESP 2007/06054-4)

Curso: Entomologia/FFCLRP-USP
Em andamento

Este projeto avalia a diversidade de vespas associadas às espécies de figueiras que ocorrem no Estado de São Paulo, principalmente nas áreas de estudo do projeto Jovem Pesquisador. O estudo analisa a especificidade hospedeira dessas vespas e a estrutura das comunidades associadas a cada espécie de Ficus. A maioria das espécies coletadas são novas para a ciência e alguns gêneros estão sendo revisados com a colaboração de Jean-Yves Rasplus do INRA - Centre de Biologie et de Gestion des Populations (França).


Efeitos da fragmentação florestal no Estado de São Paulo sobre o mutualismo Ficus-vespas de figo
Projeto de Mestrado: Monise Terra Cerezini (FAPESP 2008/03272-3)

Curso: Entomologia/FFCLRP-USP
Em andamento
Efeitos da fragmentação florestal no Estado de São Paulo na interação de Ficus eximia Schott e suas vespas (Hym. Chalcidoidea) associadas
Projeto de Mestrado: Ludmila Maria Rattis Teixeira (FAPESP 2008/52378-9)

Curso: Entomologia/FFCLRP-USP
Em andamento

Os dois projetos avaliam o efeito da fragmentação sobre a disponibilidade de vespas polinizadoras de Ficus e sobre a comunidade de vespas. Os estudos tem como alvo as duas espécies de figueiras mais abundantes nas áreas de estudo do projeto Jovem Pesquisador. Monise estudaFicus citrifolia , que é uma espécie de estratégia pioneira, muito frequente nas bordas dos fragmentos florestais. Ludmila estudaFicus eximia , que é uma espécie de interior de mata e, aparentemente, mais sensível à fragmentação do habitat.


Frugivoria por aves em figueiras em paisagens com diferentes níveis de fragmentação florestal no interior do Estado de São Paulo
Projeto de Mestrado: Mariana Esther Lapate (CAPES)

Curso: Biologia Comparada/FFCLRP-USP
Em andamento

O objetivo desse estudo é avaliar a frugivoria (e dispersão potencial de sementes) em figueiras localizadas nas áreas de estudo do projeto Jovem Pesquisador. Os resultados indicarão se as assembléias de aves frugívoras variam entre as paisagens e se a dispersão de sementes das figueiras por aves é afetada pela fragmentação do habitat.


Efeito de vespas galhadoras (Hymenoptera: Chalcidoidea) na duração da receptividade floral de Ficus citrifolia (Moraceae)
Projeto de Mestrado: Pamela Costa Adorno da Silva (FAPESP 2007/01316-0)

Curso: Entomologia/FFCLRP-USP
Em andamento

Este estudo avalia a influencia de vespas (parasitas do mutualismo) que galham flores receptivas de Ficus. Este estudo permitirá entender melhor o papel dessas vespas galhadoras no mutualismo Ficus-vespas de figo. A questão central é avaliar se a colonização dos figos por essas vespas interfere na duração da receptividade do figo. Alterações na duração da receptividade floral emFicus afetariam o sucesso reprodutivo dessas plantas, alterando a janela temporal onde a polinização é possivel.


Biologia larval de Pegoscapus tonduzi (Chalcidoidea: Agaonidae), polinizador de Ficus citrifolia (Moraceae)
Projeto de Mestrado: Sergio Jansen González (FAPESP 2006/05465-8)

Curso: Entomologia/FFCLRP-USP
Concluído

Este estudo investigou o desenvolvimento larval da vespa polinizadora em relação ao desenvolvimento dos tecidos vegetais. Os resultados mostraram que o processo de predação de sementes realizado pelas larvas de P. tonduzi é elaborado, com o desenvolvimento larval intimamente relacionado aos processos embriogênicos da planta. O desenvolvimento larval apresenta quatro instares. O ovo é depositado na região próxima à base do estilete, entre o nucelo e o tegumento interno do ovário da planta. Nessa fase, observa-se o surgimento do embrião vegetal, indicando que o ovário em que larva se desenvolve foi fertilizado. No segundo estádio larval, o inseto migra para a região micropilar e passa a se alimentar oralmente do endosperma da planta. Nesta fase, ainda, nota-se o desaparecimento do embrião vegetal, sugerindo este é consumido pela larva da vespa. Os resultados sugerem a existência de um ajuste evolutivo fino entre inseto-planta, uma vez que o desenvolvimento da larva da vespa de figo parece depender da fertilização e conseqüente formação do endosperma.


Estrutura e diversidade genética de populações naturais de Ficus spp. (Moraceae) em fragmentos florestais no Estado de São Paulo
Projeto de Mestrado: Alison Gonçalvez Nazareno (CAPES)

Curso: Biologia Comparada/FFCLRP-USP
Concluído

Populações de Ficus citrifolia e Ficus eximia foram amostradas nas áreas de estudo do projeto Jovem Pesquisador para avaliar se a redução e a fragmentação de habitat podem causar perda de diversidade e modificações na estrutura genética em suas populações. Marcadores microssátelites desenvolvidos em espécies de Ficus foram transferidos e caracterizados em F. citrifolia e F. eximia. Os resultados indicaram que a perda e a fragmentação de habitat reduzem a riqueza alélica nessas espécies. No entanto, F. citrifolia e F. eximia apresentam elevada variabilidade genética, ausência de endogamia, presença de alelos raros e exclusivos em suas populações e uma alta distribuição da variabilidade genética intrapopulacional. Esses resultados são reflexos do sistema reprodutivo da espécie (alogamia) e da especificidade e capacidade de vôo de suas vespas polinizadoras, que dispersaram grãos de pólen a longas distâncias. Além disto, espécies com polinizadores especializados e fluxo gênico mantido a longas distâncias, como ocorre nas espécies de Ficus, a fragmentação e o isolamento físico não impedem a troca gênica, resultando em fertilização. Desta forma, ressalta-se a importância da conservação de remanescentes florestais, mesmo em paisagens muito fragmentadas.


Ecologia e biologia reprodutiva de espécies de Ficus (Moraceae) de dois subgêneros com historias naturais distintas
Projeto de Iniciação Científica: Anayra Giacomelli Lamas (CNPq/PIBIC)

Curso: Ciências Biológicas/FFCLRP-USP
Em andamento

Este projeto aborda várias questões relativas à biologia reprodutiva de figueiras, em dois subgeneros que ocorrem no Brasil, Urostigma, seção Americana e Pharmacosycea, seção Pharmacosycea. As espécies da seção americana são polinizadas ativamente por vespas do gênero Pegoscapus e as figueiras da seção Pharmacosycea são polinizadas passivamente por vespas do gênero Tetrapus. Essas diferenças no modo de polinização tem implicações sobre a eficiência da polinização e o investimento que essas plantas fazem em seus componentes femininos e masculinos. Outro aspecto abordado nesse estudo é o comportamento das vespas durante a fase de polinização, quando ocorre forte competição por sítios de oviposição, favorecendo o surgimento de comportamento agressivo nessas vespas.


Efeito de vespas não-polinizadoras sobre o mutualismo Ficus- vespas de figo em relação às características das espécies hospedeiras e da comunidade de vespas associadas
Projeto de Iniciação Científica: Vanessa Tragante do Ó (FAPESP 2006/03189-3)

Curso: Ciências Biológicas/FFCLRP-USP
Concluido

Este trabalho abordou estudados aspectos da história natural do subgênero Pharmacosycea, seção Pharmacosycea. Os materiais foram coletados em diversas localidades do Estado de São Paulo. Os resultados apontaram correlações das características morfológicas dos sicônios e o modo de polinização nas espécies da seção Pharmacosycea. Descrevemos o mecanismo exato de transporte de pólen pelas vespas do gênero Tetrapus, na superfície ventral do corpo, o qual possivelmente exerce pressão seletiva sobre a morfologia do estigma, favorecendo a especialização das flores pistiladas. Assim, esse projeto elucidou aspectos importantes da história natural do subgênero Pharmacosycea.